Importância do Fluxo de Caixa

O fluxo de caixa reúne todas as contas que ainda precisam ser pagas e todo o dinheiro que a empresa tem previsão para receber. O relatório mostra qual o valor diário que está previsto para entrada e saída. Sendo assim, você consegue entender o dia ideal para o vencimento de alguma conta que pode ser negociada, e se é ideal contar com descontos a vista ou parcelamentos, tendo em vista a entrada de caixa para que os fluxos não fiquem descasados. Confira alguns tipos de fluxo de caixa:
Fluxo de caixa direto: O fluxo de caixa direto considera os valores brutos de cada operação financeira, sem considerar os descontos. Ele é o método mais usado na atualidade e fornece relatórios com frequência diária.
Fluxo de caixa indireto: Nesta metodologia, o balanço patrimonial da empresa é usado para considerar também a variação do valor dos ativos em determinado período. Dessa forma, após a contabilização do lucro de determinado período, ele é reajustado com base na amortização e na depreciação. Após esse reajuste, a empresa tem o valor presente no Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE).
Fluxo de caixa projetado: O fluxo de caixa projetado tem a meta de prever receitas e gastos em um período futuro. Ou seja, ele não utiliza os valores de entradas e saídas de caixa que já foram concretizadas. Com essa previsão, os gestores conseguem preparar melhor o orçamento sem que haja surpresas no período atual.
Fluxo de caixa operacional: Essa categoria de fluxo de caixa se concentra nas receitas e despesas operacionais. Em outras palavras, ele considera as operações financeiras necessárias para que o negócio funcione.
Fluxo de caixa livre: Nessa metodologia, o objetivo é medir a capacidade de gerar capital de determinada gestão. A curto prazo, o período de análise costuma ser de 60 a 90 dias, ou a médio e longo prazo, entre dois e cinco anos
Dicas para ter um fluxo de caixa saudável: Diante de tamanha importância dessa ferramenta, separamos oito dicas para ter um fluxo de caixa saudável na sua empresa. Confira a seguir!
1. Registre e classifique cada movimentação Seja lá qual for o valor gasto ou recebido na empresa, é importante registrar cada um deles – afinal, essa é a principal função do fluxo de caixa.
2. Separe cada um dos gastos ou recebimentos em categorias Para que seja mais fácil identificar os principais tipos de gastos e receitas, bem como sua origem.
3. Não classifique apenas como “gastos” e “ganhos” Pois assim você não saberá como usou os recursos e nem a origem dos rendimentos.
4. Escolha um período para controlar o fluxo de caixa: O fluxo de caixa pode ter a periodicidade variável de acordo o tipo do negócio – pode ser diário, semanal, quinzenal ou mensal. Não escolha um período muito longo, para não perder o controle das suas finanças. Tão importante quanto definir um período, é saber ter controle dos dados para que nada se perca até a próxima atualização.
5. Faça um inventário Para facilitar o registro das entradas e saídas, faça um levantamento de todas as despesas e receitas – atuais e futuras – bem como planos de investimento e expansão.
6. Fique de olho no capital de giro É muito importante verificar se sua empresa está obtendo o retorno desejado com a venda dos produtos ou serviços. Se o capital de giro está baixo, talvez seja a hora de renegociar contratos com os clientes para garantir maior retorno financeiro. Capital de giro baixo significa que você precisa dar mais atenção para o fluxo de caixa e fazer avaliações periódicas para garantir que o negócio está andando como o planejado.
Faça o download do seu modelo aqui: https://airtable.com/shrBEWZ96upTJIeSz
Sobre a Ozllo Hub de serviços digitais para varejistas de moda e beleza. A OZLLO visa digitalizar o mercado de moda e beleza através de soluções digitais e financeiras. Foi criada em 2018, pelas empreendedoras Zoë Póvoa e Victoria Alonso. www.brandz.ozllo.com.br.

This is the author

Vamos conversar?